Como continuar amamentando após a licença maternidade

Atualmente o Ministério da Saúde orienta amamentar nossos bebês por tempo mínimo de 6 meses com amamentação exclusiva. Depois disso, é recomendado prolongar a amamentação até os 2 anos de idade ou mais, aproveitando ainda todos os benefícios que o leite materno pode trazer para o desenvolvimento da criança.

Um dos grandes desafios da amamentação pode ser continuar amamentando depois que precisar retornar ao trabalho. Algumas mulheres ficam de 4-6 meses de licença maternidade, conforme a legislação trabalhista, mas outras precisam voltar antes ao trabalho, principalmente se forem trabalhadoras autônomas.

O importante é saber que dá sim para continuar amamentando após o retorno ao trabalho! Podem ser necessárias algumas adaptações, mas esse post foi escrito com o objetivo de descomplicar esse assunto.

A primeira coisa que precisamos recordar é sobre como se dá a produção de leite materno. Nós produzimos leite para o bebê sob demanda, isso significa que o nosso corpo percebe o estímulo da sucção no seio e então faz a nossa glândula mamária produzir leite, como na imagem abaixo:

Isso significa que se ficarmos grandes intervalos sem oferecer seio materno ao bebê, ou sem realizar nenhum estímulo, o leite vai diminuir – simplesmente porque o corpo entende que não precisa produzir mais. Então, tão importante quanto continuar oferecendo o seio para o bebê, é entender se vai ser possível fazer ordenha do leite materno a cada 3-4 horas no trabalho, durante o período que você estiver fora de casa e não puder amamentar.

Lembre-se que para continuar com a amamentação após a licença maternidade, é fundamental oferecer o seio materno sempre que estiver com o bebê – por exemplo, pela manhã antes de sair pra trabalhar e à noite depois de chegar do trabalho.

Durante o dia, a ordenha precisa ser feita a cada 3-4 horas, como se você estivesse amamentando regularmente – para manter a produção e também para fazer estoque de leite. Tome alguns cuidados básicos: prenda os cabelos, utilize uma máscara, lave bem as mãos e esteja em um local limpo. O leite ordenhado pode permanecer por 12 horas refrigerado, para que depois você possa levar para casa em uma bolsa térmica.

O segredo de uma boa ordenha é a massagem, então é fundamental praticar como fazer – escolha um ambiente tranquilo e tenha com você uma foto ou uma roupa do bebê, isso estimula a produção de ocitocina e ajuda na saída do leite.

A massagem deve ser feita em movimentos circulares, como indicado pelas setas na figura abaixo:

A ordenha pode ser feita de forma manual ou com auxílio de uma bomba extratora elétrica ou manual. Lembre-se de seguir as recomendações do fabricante com relação à higiene da bomba extratora e de seus acessórios.

O leite materno ordenhado precisa ser armazenado em potes de vidro com tampa plástica, que devem ser devidamente higienizados antes de receberem o leite. O leite pode ser guardado por 12 horas na geladeira ou 15 dias no congelador, lembrando que, na geladeira, nunca deve ficar na porta, pois é o local onde há mais variação de temperatura.

Para facilitar o controle de validade, no ato da ordenha os potes devem ser identificados com data e hora e não se deve misturar leites ordenhados em momentos diferentes em um mesmo pote.

É muito importante também que você possa escolher um método de oferta desse leite que seja adequado e seguro e que não interfira na amamentação. As mamadeiras e outros bicos artificiais, apesar de serem uma forma muito fácil de ofertar o leite ao bebê, interferem negativamente na amamentação, causando confusão de bico. Assim, quando o bebê for ao seio, vai sugar de forma ineficaz e vai diminuir o estímulo à glândula e, por consequência, a produção de leite.

Há métodos seguros para oferta de leite materno ordenhado e que não interferem na pega correta e sucção ao seio, como a colher dosadora ou o copinho. Muitas vezes as mães se sentem um pouco inseguras de usar esses acessórios para oferta do leite, com medo de algum engasgo. O bebê precisa estar bem sentadinho e deve receber pequenas doses de leite materno na boca, pra ir aos poucos engolindo e entendendo como faz. O treinamento, muitas vezes, é mais do cuidador (mãe ou outra pessoa que vai oferecer o leite) do que do bebê.

Cerca de 15 a 20 dias antes da data prevista de voltar ao trabalho, visite o berçário ou converse com a pessoa que vai ficar com o bebê – é importante que você alinhe seus desejos e expectativas de continuar amamentando, bem como explicar como você quer que seja oferecido seu leite e entender como funciona o recebimento/armazenamento do leite materno pro seu bebê.

É importante também alinhar com o pessoal do trabalho sobre seus intervalos para ordenha e ter um local destinado para guardar seu leite materno refrigerado.

Há profissionais que atuam na consultoria de amamentação no retorno ao trabalho, compreendendo como é a rotina e desenhando com detalhes horários de oferta de seio materno, horários de ordenha, treino de ordenha e de oferta do leite ordenhado ao bebê.

Muitas pessoas dizem que não conseguiram amamentar porque precisaram voltar ao trabalho – mas ter a informação correta pode te levar a lugares que ninguém nunca chegou!

 

Carol

Enfermeira neonatologista

www.consultorianananenem.com.br

www.facebook.com/consultorianananenem

Instagram @consultorianananenem

www.youtube.com/nananenem


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *